Prefácio

 Que se pretende? Pensar em crenças? Vai precisar de algo bem estruturado e explícito e nunca apenas uma mera teoria filosófica. Algo que vai desde a base de dados e chega à aproximação psicológica e sociológica da questão.Vamos a um exemplo.

 Penso não estar a defender crenças que levam por exemplo à pedofilia, daí defender a existência de um(a) parceiro(a) do sexo oposto, sendo ambos adultos. Se há essa necessidade não me parece que contrariar seja lá muito inteligente. Há uma diferença na inteligência de quem opta por um caminho como certos padres ou pelo outro como é por exemplo outros tantos Homens do mundo. E se o destino dos padres foi programado? Outro caso? Se te achas sem opção, o que dizer da violência que é a prostituição? E se a sociedade no âmbito sexual impõe regras que não têm maneira de se cumprir? Tendo em conta o ponto de vista da evolução das espécies, então como queriam que houvesse pessoas no mundo? Se não há desejo, então não há descendentes e é por causa disso que os métodos contraceptivos vêm resolver muitos problemas. O papa Francisco admitiu que o sexo é um prazer divino. Exagerado? Depende da pressão e da duração da pressão, o quanto extremo e desumano pode ser. Seleção natural que pode não ter haver com figuras tristes no entendimento da pessoa em causa, mas com booling e tudo de mau neste mundo. Tudo de mau neste mundo que tem uma explicação como derrapagem genética. Tudo de mau como o que é mau nos sabe trazer a todos. Será tudo válido?
 O que de melhor se pode construir com a experiência e qual o maior erro de não saber distinguir as pessoas e o seu esforço?
 Qual o melhor motivo de não ser censurado reconhecendo a gravidade das palavras?
 Dado a reacção imediata logo à primeira impressão, impossibilitando qualquer diálogo. O problema vem-se arrastando há décadas, daí reconhecer a vontade de certas pessoas. Exponho assim o problema.

 Não pretendo desnortear as pessoas. Sabedoria essa, pelo que é preciso primeiro perceber o que está em causa, que mais parece levar-nos a todos a ser reis de uma revolta certa e justificada, simplesmente porque não concordamos com o mundo em que vivemos, mas que apesar de tudo, todos precisam de todos e é preciso apelar à calma e à compreensão. Uma pessoa sem princípios morais é um perigo para ela e para os outros. Se a área do conhecimento é diferente, então é provável que a opinião também seja diferente. Sabedoria essa que sendo uma virtude merece ser respeitada.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Doenças, comportamentos de risco ou simplesmente luxúria?

Base de dados